Noticias Cidades - 45 anos sem Euphly Jalles- Diarioweb
Cidades
 
Homenagem
São José do Rio Preto, 30 de Outubro, 2010 - 1:47
45 anos sem Euphly Jalles

Cecilia Demian

Lézio Júnior/Editoria de Arte
O engenheiro fundou o Diário há 60 anos, além das cidades de Jales e São Francisco (SP)
Se vivo fosse, o engenheiro Euphly Jalles ia levar um susto ao ver hoje o Diário da Região, um respeitável complexo de oficinas, administração, publicidade e redação, em 7 mil metros de área construída. Muito diferente do acanhado duas portas da rua Marechal Deodoro, 2862, onde ele imprimiu as primeiras edições do jornal, em 23 de julho de 1950. Outro susto seria com a cidade de Jales, com 50 mil habitantes, sede da Comarca e de Diocese, referência estadual na fruticultura e pecuária. Muito diferente do matagal que ele mediu em 1941, fazendo o primeiro traçado, de forma inteligente, de modo que as casas do centro da cidade recebam o sol nas quatro faces durante o ano inteiro.

Entre as inúmeras realizações de Jalles, estas duas são mais importantes pela envergadura que assumiram na modernidade. Hoje, 30 de outubro, completam-se 45 anos de sua morte. Tinha 63 anos, quatro filhos e uma vida pela frente. Homem bonito, segundo as descrições da época, determinado, tinha atitudes prontas e respostas na ponta da língua. Em uma das campanhas para prefeito de Jales, os adversários espalharam folhetos com os dizeres: “Votar em Euphly é votar em cobra.” A resposta dele: “Votar em Euphly é votar em cobra mussurana para comer as cascavéis que andam soltas por aí.” O folheto foi distribuído de teco-teco.

Euphly, filho de Francisco e Ignês de Castro, irmão de Eponina, Mariinha e Cesóstelis, tinha uma visão de mundo ousada e corajosa para sua época. Fundou as cidades de Jales (que se convencionou grafar com L só), São Francisco e Nova Jales (MS), que não prosperou. Pouco antes de morrer, tinha pedido a instalação de Jales do Norte, na Chapada dos Guimarães (MT).

Em 1940, era inspetor municipal de Obras Públicas e foi incumbido pelo governo do Estado de medir as terras da Fazenda São José da Ponte Pensa, sertão dos sertões. Foi pago com terras, segundo o historiador Genésio Mendes Seixas, 75 anos, autor do livro ‘Memórias de Jales’. Nessas terras, ele fundou uma vila inicialmente conhecida por Marimbondo, que meses depois passou a Vila Jales. Empreendedor futurista, ele chamou um grupo de pioneiros e deu início à vila. Passava o dia inteiro abrindo picadas, sem comer ou beber. Era um forte. Homem culto, falava cinco línguas e valorizava o ensino.

Genésio Seixas era criança e se lembra de Euphly sempre de terno, de preferência claro, gravata, impecavelmente trajado. “Cavalgava muito pelas ruas de terra, mas estava sempre alinhado. Ele tinha também uma baratinha, carro esporte da época, para duas pessoas. Fazia o trajeto Jales-Rio Preto, de baratinha, em seis horas, estrada de terra e buracos,” lembra o historiador.

Sua mãe, dona Ignêz de Castro, era irmã de Aristófano Brazileiro de Sousa (Duquinha), o braço direito de Euphly. Euphly foi combatente da Revolução de 32, embarcando pela EFA no dia 18 de julho de 1932, às 14 horas, com outros rio-pretenses. Antes do embarque saíram em três pelotões do Posto Policial, desceram a rua Bernardino de Campos cantando o Hino Nacional e a Canção do Soldado Paulista, conforme consta no livro ‘Rio Preto na Revolução de 32’, de Roberto do Valle.

Arquivo ‘Memória de Jales’
Com Castro Carvalho e Cunha Bueno: luta pela Comarca, em 1952
Origens são canadenses

Descendente de canadenses segundo consta do livro de Valberto Jalles, Euphly tem um nome de origem grega que significa ´bom coração´. Casou-se com Minerva, nome da deusa da sabedoria. Após a formatura pela Politécnica, instalou-se em Rio Preto, iniciando carreira de engenheiro da Prefeitura na gestão Philadelpho Gouvea Netto. Abriu ruas, além da Avenida da Saudade e fez o projeto do prédio da Acirp, entre outras obras. Tinha bom trânsito social, foi presidente de clubes e um dos fundadores do Aeroclube de Rio Preto. Era piloto brevetado.

Em 1950, fundou o Diário, acalentando a ideia de continuar a vida política como deputado. Não foi eleito. Um ano depois arrendou o jornal para Danilo Mantovani, até que em dezembro de 1959 vendeu para Alberto Cecconi, Antônio Natalone, José Barbar Cury e Norberto Buzzini, jovens dinâmicos que ele admirava. Em Jales, também inaugurou um aeroporto, entre outras obras, e foi amado e criticadocomo qualquer político. “Homem inteligente, fazia doações de livro para a biblioteca da cidade pois sabia da importância da Educação.

Tinha visão de futuro e achou muito simples uma nova capelinha. Quando foi lançado projeto de outra igreja (muito mais tarde, Catedral), ele doou 5 mil tijolos, para incentivar a construção. Era participativo em tudo. Tinha um grande amor pela cidade”, conta Seixas, major da Força Aérea aposentado. Hoje o nome de Euphly batiza uma rodovia, escola, avenida e praça na cidade que ele fundou, além de uma rua em Rio Preto, no Jardim Estrela.

QUEM FOI:


:: Nascimento: 15 de abril de 1902
:: Local: Frutal (MG)
:: Filho de: Francisco e Inez de Castro Jales
:: Irmão de: Eponina Jalles Rubião Meira, Cesóstellis e Maria
:: Diploma superior: Engenharia pela Escola Politécnica da USP
:: Política: Prefeito de Jales por duas gestões, 1949-1953 e 1957-1961 e vereador em Jales e Fernandópolis
:: Em Rio Preto: foi inspetor municipal de Obras Públicas (1938), presidente do Sindicato Rural (1950); fundador e presidente do Aeroclube (1939); presidente do Rio Preto Esporte Clube (1954); um dos fundadores e presidente do América Futebol Clube (1946); fundador do Jockey Club (1950) e da Alarme (1951)
:: Jornal: além do Diário, fundou O Município de Jales’, que passou à Comarca de Jales
:: Casado com: Minerva Izar Jalles (27 de julho de 1957)
:: Pai de: Euphly Filho, Francisco, Ana Cristina e Luiz Fernando Jalles


O QUE DIZEM SOBRE ELE:


“Para Athaydes (pioneiro), as atitudes mostram o quanto a determinação do dr. Euphly era forte. Jales era tudo para ele. Quando iam abrir picadas para escolher o novo local, passavam o dia na mata, só voltando à tardinha sem comer e nem beber nada. ”

Projeto Memória, Jornal de Jales
____________________________________________________________________

“Dr. Euphly era nem alto, nem baixo, os seus cabelos já começavam a cair, suas sobrancelhas eram grossas, seus olhos verdes acinzentados - uns dos mais belos olhos que já vi -, nariz bem feito, boca inteligente, braços grossos, mãos grandes, firmes, seguras, passos rápidos e fala tremenda. Era um homem bom.”

Alaíde Inácio Carneiro Dias, professora
____________________________________________________________________

“(...) Fiz uma picada até chegar no canavialzinho, que estava à margem esquerda do Marimbondo. O dr. Euphly acompanhava e, com muita dificuldade, chegamos ao ponto visado, mais ou menos às 4 horas da tarde com fome. Naquele dia, eu fiquei acreditando na felicidade, porque tudo dava certo. Tomamos café de madrugada e saímos. Esse homem, com todas as dificuldades passadas, estava sempre alegre e satisfeito.

” Carta de Zé Cearense “
____________________________________________________________________

(...) E aí começou a luta de novo do grande fundador e desbravador dr. Euphly Jalles, que trouxe Jales na altura que está, fazendo invejar a muitos políticos que aqui vieram dizendo que ele não fez nada. Posso afirmar que tudo o que tem em Jales até hoje foi feito por ele, e adquirido por ele.”

Athaydes Gonçalves da Silva, um dos pioneiros de Jales
____________________________________________________________________

“Criou-se um plano de aproveitamento do solo para a cultura racional e intensiva do café, algodão, arroz, cereais em geral, com o aproveitamento de maquinaria por vários sitiantes ao mesmo tempo. Jales pode orgulhar-se de ter sido fundada sob os signos de uma verdadeira e racional reforma agrária.”

Edílio Ridolfo, Projeto Memória
____________________________________________________________________

”No verão de 1939, o dr. Euphly Jalles hospedava-se na fazenda do senhor Alberto de Paula Bernardes, à margem da estrada Boiadeira, de onde partia pela madrugada, cavalgava por mais de duas horas, trabalhava durante todo o dia e regressava ao chegar da noite. (...) Em dias chuvosos acontecia de o fundador chegar tão molhado que era obrigado a vestir as roupas enxutas de seu hospedeiro. ”

Genésio Seixas, historiador, a partir de entrevistas com Alzira e Nivaldo, filhos de Alberto de Paula Bernardes

Quer ler o jornal na íntegra? Acesse aqui o Diário da Região Digital

 
     
24 de Novembro, 2013
Trem descarrila, atinge casas e mata oito pessoas
 
27 de Dezembro, 2009
Programa rende R$ 8 mil para universitárias
 
17 de Janeiro, 2010
Arrependidos pagam até R$ 2 mil para retirar tatuagem
 
18 de Janeiro, 2010
Temporal mata duas pessoas em Rio Preto
 
19 de Janeiro, 2014
O renascimento do locutor Asa Branca
 
 
› 18/09 Atendimento do Semae fica restrito no fim de semana
› 18/09 Detentos do CPP são flagrados com drogas
› 18/09 Diário testa se rio-pretense tem educação ao volante
› 18/09 MPF revela que BBom embolsou R$ 2 bilhões
› 18/09 Jovem morre um dia após ser espancado por policial
› 17/09 Fogo destrói parte de casa no Parque Industrial
Leia mais sobre Cidades
 
 
Acervo
Revista Vida e Arte
Negócios em Pauta
Locall
Imóveis
(17) 3355-1090
Condominium
Imóveis
(17) 4009-3333
 
 
Bemac
Máquinas de costura
(17) 3234-3687
Home | Institucional | Economia | Cidades | Geral | Esportes | Saúde | Política | Estradas | Tecnologia | Educação | Meio Ambiente | Sirva-se | Olá | Opinião | Artigos | Editorial | Opinião do leitor | Classificados | Divirta-se | Atendimento | Promoções | Fotojornalismo | Vídeos | PodCasts | Blogs | RSS | Jornal na Educação
Diarioweb® Todos os direitos reservados // Atendimento Design e desenvolvimento MagicSite