Um mix de cores
Amantes de tuning investem na pintura do carro
São José do Rio Preto, 6 de Novembro de 2005
  Rubens Cardia  
Rafael fez uma pintura marmorizada de preto e dourado em seu Pálio

Michelle Monte Mor

18:40 - Quem é fã de tuning sabe: não adianta ter um carro todo equipado se a pintura não acompanha o estilo. Alguns investem muito na mecânica, acessórios e no som e acabam despercebidos nas ruas. Para mudar isso, os amantes de tuning investem cada vez mais na pintura do carro. Hoje já existe uma série de tintas e técnicas para personalizar o carro. Tudo que antes era considerado impossível de se fazer quando o assunto era pintura automotiva, hoje já é realidade. As bases têm a finalidade de proporcionar um efeito metálico e cintilante. Por cima, é utilizada a pintura “candy”, que serve como ponto de partida para outras técnicas como “camaleão” e “marmorizado”. Além destas, quem deseja transformar o carro pode recorrer às técnicas “flake”, “fosforescente”, “néon” e “pérola”. Os jovens são os que mais procuram esse tipo de serviço. “Sempre desejam algo audacioso e diferente. Hoje, o tuning vai além dos acessórios”, diz Adriano Rosalem, proprietário de uma oficina especializada em pintura personalizada em Rio Preto.

A técnica mais utilizada e pedida na oficina é a “flake”, disponível em 10 cores. Os flakes são partículas coloridas e metalizadas (parecem purpurina) finos ou grossos. Ela demora cerca de uma semana para ficar pronta. É uma das mais baratas, a partir de R$ 2 mil. Os mais corajosos e com vontade de investir “pesado” no carro, pode escolher a técnica “camaleão”. Esse tipo utiliza tintas com pigmentos que mudam de cor de acordo com a iluminação. Conhecidas também como “flip flop paint”, tem duas cores principais, uma no “flip” e outra no “flop”, com dezenas de semitons entre as duas. “Mudanças mais drásticas das cores são conseguidas quando aplicadas sobre uma base preta”, explica Adriano. Para quem quer arriscar, é bom preparar o bolso. Para pintar um carro inteiro são necessários, pelo menos quatro litros de tinta. Cada litro custa, em média, R$ 5 mil. Ou seja, a pintura “camaleão” sai por cerca de R$ 20 mil e leva uma semana para ficar pronta.

A manutenção é igual a de um veículo normal. Alguns proprietários fazem cristalização da pintura para que ela resista mais. É preciso ter cuidado, pois se ocorrer algum arranhão, o retoque deverá ser feito no carro inteiro.
Rafael Franciscato resolveu radicalizar a pintura do Pálio. Há dois meses ele utilizou a técnica “marmorizada” na parte exterior e interior do carro. O resultado é único. Um mesclado de cores. “No início achei muito radical. Hoje já acostumei com o preto e dourado”, diz ele. A pintura interna sai por cerca de R$ 20 mil, dependendo da técnica utilizada e do estado do carro. Qualquer veículo pode passar pelas mudanças. “Acho que esse tipo de pintura valoriza o carro. Eu já gastei R$ 45 mil. Para mim valeu fazer tudo isso”, diz Rafael. Outro tipo de pintura é a perolizada, que possui 12 tons de pérola entre azul, branco, amarelo, verde, laranja, vermelho, violeta, marrom, verde azulado, verde amarelado, vermelho alaranjado e branco prateado. Os efeitos produzidos são o laser e o mesclado.

O grafite é considerado uma das técnicas mais agressivas. Raramente o grafismo é visto nos pára-choques dos carros e geralmente é aplicado sobre o capô do veículo e, no caso das picapes, na tampa traseira. Os desenhos mais comuns são imagens místicas, rostos, cartuns e personagens de desenhos. Esse tipo de pintura é feita com o auxílio de uma caneta aerógrafa. É possível fazer qualquer tipo de desenho. Até mesmo o farol pode ser pintado, recebendo um contorno de tinta dégradé. Neste caso, quando desligado, o farol fica fumê, na cor que o cliente escolheu, e quando é ligado fica transparente, apenas com o contorno da tinta nas bordas do farol. Ao fazer modificações na pintura, é preciso ir até à Ciretran para alterar o registro do veículo.

Conheça algumas técnicas de pintura personalizada:


:: Candy - Disponível em 13 cores, o “candy” é um verniz colorido, com alta transparência, utilizado por cima de bases metálicas e perolizadas, o que resulta em uma pintura cintilante. Ela tem diferentes efeitos de acordo com cada base e incidência de luz

:: Camaleão - Disponível em oito cores, a técnica “camaleão” são compostas por pigmentos que mudam de cor de acordo com a iluminação. A tinta é feita com base de poliéster e tem fácil aplicação.

:: Flake - Os “flakes” são partículas coloridas (parecem purpurina) e metalizadas. Elas têm alta resistência a solventes e temperaturas elevadas. Têm um brilho intenso. Possui 10 cores diferentes.

:: Marmorizado - Esta técnica pode ser feita em duas cores: prata e dourado. O “marmorizado” é uma solução metálica/perolizada, que deixa a superfície do veículo com aspecto de mármore, granito, aço escovado ou até casco de tartaruga, de acordo com a criatividade e a técnica utilizada pelo pintor.

:: Fosforescente - As tintas fosforescentes têm pigmento que absorve a luz na claridade e se ilumina no escuro. Ideal para fazer detalhes, filetes, desenhos. É capaz de iluminar por até uma hora e 100% no escuro. Ela pode ser misturada à tinta néon para dar mais vida à cor. Disponível em um tom.

:: Néon - Disponível em oito cores, as tintas néon são elaboradas a partir de pigmentos fosforescentes, que parecem estar acesos. Por serem pigmentos de baixa resistência à luz, devem ser utilizados em superfícies que não tenham contato direto com o sol.

:: Pérola - Essa técnica foi criada para dar efeito cintilante às pinturas convencionais. Em dois tipos, pérolas lisas e de interferência, proporcionam efeito fantástico!

Serviço:
- Space Tuning - (17) - 3012-1204
- Aeroart - (11) 6096-7537