Oftalmologia
Alerta para a mosca volante que ronda os olhos
São José do Rio Preto, 20 de Agosto de 2003
  Editoria de Arte  

Cecília Dionizio

Se em algum momento você teve a nítida impressão de ver moscas ou pontos pretos em seu raio de visão, saiba que pode não ser uma alucinação, mas sintoma de uma doença oftalmológica. Conhecido como moscas volantes, o problema acomete pessoas com mais de 60 anos e, em geral, sinaliza algumas doenças, como uveíte, descolamento de vítreo, retração ou descolamento da retina. O oftalmologista Luiz Kazuo Kashiwabuchi, chefe da Disciplina de Oftalmologia do Hospital de Base (HB), explica que o sintoma tem a ver com a gelatina que preenche o globo ocular, que aos poucos começa a se liqüefazer. Além dos idosos, pessoas com alto grau de miopia, ainda jovens, também podem ser vítimas do problema. Quanto mais cedo se buscar tratamento, melhor. O médico afirma que em crianças é raro acontecer, mas um trauma muito intenso pode provocar hemorragia no vítreo e, conseqüentemente, levar ao descolamento da retina ou do vítreo.

A costureira Denise Albano, 28 anos, é míope desde criança e há três anos teve seu grau estabilizado. “Um certo dia, estava costurando e de repente apareceu um monte de pontos pretos ao redor dos meus olhos. Entrei em desespero”, conta. O médico oftalmologista José Renato Bertazzo, do Hospital do Olho Redentora, diz que ao ver pontos ou manchas de uma hora para outra, algo como “ciscos” flutuando e tremelicando bem em frente aos olhos, a pessoa deve correr o mais rápido possível a um especialista em retina para realizar o exame e descartar a possibilidade de estar com a retina em perigo. “Especialmente se os pontos aparecerem em lugares claros ou ao fixar o olhar em paredes claras”, diz. Bertazzo afirma que as moscas volantes são provocadas pelo envelhecimento do humor vítreo - gel que preenche os olhos por dentro. Na meia-idade esse gel vítreo pode começar a engrossar ou encolher, formando grumos ou filamentos dentro do olho. O gel vítreo vai se afastando da parede posterior do olho, provocando um descolamento do vítreo posterior.

O tratamento pode ser feito com laserterapia no próprio consultório médico, com o intuito de prevenir o deslocamento da retina, uma patologia ocular grave e que pode levar à perda da visão. O oftalmologista Alexandre Cury, do Hospital do Olho de Rio Preto, afirma que uma pessoa pode até pensar que está louca quando começa a sentir a visão pintada de preto. E o pior é que cerca de 60% dos pacientes apresentam o problema. O médico diz que, em geral, a gelatina branca do olho fica opacificada e começa a balançar dentro do corpo vítreo, o que leva a pessoa a sentir como se estivesse com moscas. “O líquido balança no corpúsculo e provoca o colapso se o paciente não for imediatamente atendido”, esclarece. A dona-de-casa Maria Julieta de Andrade, 62 anos, já sofreu o descolamento da retina e hoje lamenta não ter dado atenção quando começou a sentir os primeiros sinais. “Como não doía eu achei que não era nada e fui deixando. Quando começou a doer já não tinha mais jeito. Minha retina havia se descolado por inteiro. Perdi totalmente a visão do lado direito”, relata.

O oftalmologista Cury avisa que ao se separar da retina há um risco muito elevado dela se rasgar e com isto pode ocorrer a perda total da visão. Quando não há mais como conter a perda do gel vítreo, o médico explica que é feita uma cirurgia chamada vitrectomia, para retirar o humor aquoso e substituí-lo por substância inócua. As infecções intra-oculares podem afetar qualquer pessoa, porém, são mais comuns em quem sofreu toxoplasmose. Embora o tratamento seja comum, o médico relata que atende em torno de seis pessoas por dia. E o segredo para que o problema não evolua é levar a sério qualquer pontinho que aparecer. Do contrário, pode ser tarde demais. Com o laser é possível selar o rasgo, caso não esteja muito adiantado. O exame oftalmoscópico, que utiliza uma lente invertida para olhar dentro do globo ocular na parte côncava e aperta o olho para ver dentro do corpo vítreo, é que vai constatar a dimensão do estrago. Em alguns casos, o oftalmologista diz que o problema também pode ser precedido de flashes luminosos, o que significa que o vítreo está querendo se descolar.

Serviço:
- Luiz Kazuo Kashiwabuchi, oftalmologista e chefe da Disciplina do HB, fone (17) 234-4455
- Alexandre Cury Júnior, oftalmologista do Horp, fone (17) 227-7333
- José Renato Bertazzo, oftalmologista do HO Redentora, fone (17) 3214-2020

Identifique as moscas volantes:

>> Há vários tipos desses “ciscos” que as pessoas vêem: o mais comum é serem opacidades móveis do vítreo (uma parte do olho). Elas aumentam com a idade e são mais comuns em míopes. Mas, às vezes, são sinais de doença de retina ou inflamação dentro do olho (ou mesmo hemorragia). Podem, portanto, significar descolamento de retina, uveíte entre outros problemas. Nestes casos, se essas opacidades incomodarem ou resultarem em manchas escuras no campo visual, é necessário consultar um médico, em especial se já tiver mais de 45 anos.

>> Moscas volantes são mais freqüentes em pessoas que sofrem de miopia foram submetidas à cirurgia de catarata foram submetidas à cirurgia do olho a laser YAG sofreram de inflamação dentro do olho.

Fonte - José Renato Bertazzo, oftalmologista do HO Redentora