S. J. do Rio Preto - Terça, 30 de setembro de 2014 




 
 
Notícias
Diarioweb Busca de Notícias

 
Arquivo de Notícias
Carnaval
Dossiê Diário
A inteligência contra o crime
Diário Olímpico
AgroDiário
A vida como ela é
Barretos
100 anos da imigração japonesa no Brasil
Beira D Água
Rio Preto 157 anos
Copa 2002
Charge
Cidades
Chame o Diário
Diário História
Copa 2006
Comportamento
Economia
Copa Diário/Sesc
CPI Banestado
Jogos Abertos
Rio Preto 156 anos
AgroDiário
Expo Rio Preto
Educação
Eleições
Santa Europa
Esportes
Rio Preto 154 anos
Meio Ambiente
Guerra no Golfo
Política
Paz no Trânsito
Revista Bem Estar
Rio Preto 153 anos
Saúde
Semae
Sua Casa
Tecnologia
Turismo
Últimas Notícias
Veículos
Zé Buracão
Divirta-se
Cinema
Teatro
Eventos e Shows
Galeria de Fotos
Coluna Social
Horóscopo
Diário Imagens
Opinião
Artigos
Bastidores
Coluna do Diário
Defesa do Consumidor
Dividida
Editorial
Flash Bola
Opinião do Leitor
Proteja-se!
Mário Luiz sabe o que diz
Serviços
Loterias
Estradas
Mapa do site
Notas de Falecimento
Contato
Nossos telefones
Fale Conosco
Disque Denúncia
Anuncie
Oftalmoligia
Colírio utilizado de forma indiscriminada gera doenças
São José do Rio Preto, 21 de fevereiro de 2008
  Lézio Júnior/Editoria de Arte  

Rita Fernandjes

"Quem não tem colírio, usa óculos escuros", já dizia Raul Seixas em referência às pessoas que querem esconder a vermelhidão dos olhos. O hábito se tornou tão comum que muita gente nem percebe que está se automedicando, já que colírio é remédio - possui substâncias que o tornam indicados para determinados problemas. "O colírio pode ser antialérgico, antibiótico, antiinflamatório, anestésico, vasoconstrutor ou lubrificante", explica o oftalmologista Ricardo Lamy, do Hospital Universitário da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). "O medicamento tem várias formas, como cápsula, comprimido ou pomada. O colírio também é uma das formas de remédio", afirma. O uso indiscriminado do colírio pode provocar doenças graves e irreversíveis, como a catarata e o glaucoma (aumento da pressão nos olhos). Outras conseqüências são alergia e dependência. De acordo com Lamy, as pessoas devem ficar atentas porque colírios betabloqueadores (indicados para tratamento de glaucoma) não podem ser usados em pacientes asmáticos ou com taquicardia. Já os colírios à base de corticóide jamais devem ser usados em tratamentos de herpes nos olhos.

O especialista reconhece que ainda é grande o número de pessoas que compram colírios sem receita médica ou que usam o medicamento receitado em tratamentos anteriores. De acordo com a oftalmologista Midori Hentona Osaki, chefe do Setor de Plástica Ocular do Departamento de Oftalmologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), a hiperimia ocular (vermelhidão) e a sensação de ardor são as principais causas de automedicação. Lamy explica que doenças da córnea, conjuntivite e glaucoma agudo podem causar vermelhidão nos olhos e, ao se automedicar com um colírio vasoconstrutor, o medicamento tratará o sintoma, mas não a origem do problema. De acordo com Adney Secches, proprietário de farmácia há 30 anos, também é comum profissionais que usam solda tentar comprar colírios sem prescrição médica. "Este tipo de medicamento somente pode ser vendido mediante apresentação e retenção da receita médica", afirma. Midori explica que colírios indicados para queimadura por solda são anestésicos e, quando usados indiscriminadamente, podem causar a perfuração da retina.

Os médicos também alertam ao perigo do uso de colírios indicados em tratamentos anteriores. “Pode acontecer do paciente ter conjuntivite viral e usar um determinado medicamente. Depois de três meses, o mesmo paciente contrai conjuntivite bacteriana. Se ele usar o mesmo indicado anteriormente, não terá êxito no tratamento”, diz Lamy. Segundo Midori, existem casos de pacientes que dizem ter usado o mesmo colírio por um ano. O ideal é jogar fora o colírio após o término do tratamento. "Depois de aberto, o prazo de validade é de 40 dias", afirma a oftalmologista da Unifesp. Antes de usar o medicamento, os médicos orientam a lavar as mãos, limpar as pálpebras, agitar o frasco e não encostá-lo no olho, para evitar contaminação.

Quem são os vilões para os olhos:


:: Ar-condicionado
:: Ventilador
:: Computador
:: Sol
:: Poeira
:: Areia
:: Poluição
:: Fumaça de cigarro
:: Água do mar
:: Cloro de piscina
:: Bactérias
:: Aglomerações
:: Falta de higiene com lente de contato
:: Falta de higiene com óculos
:: Vírus
:: Alergia
:: Remédios que deixam o olho seco, como antidepressivos
:: Desequilíbrio hormonal

Uso requer cuidados especiais:


:: Antes de usar o medicamento, verifique a data de validade n Confirme se o nome do produto é o mesmo prescrito na receita médica
:: Agite o frasco antes de usar o medicamento
:: Sempre lave as mãos antes de pingar o colírio
:: Incline a cabeça para trás ou deite para aplicar o medicamento
:: Puxe a pálpebra inferior, de forma que fique uma 'bolsa' para receber o medicamento
:: Coloque apenas uma gota por vez, sempre na região central do olho
:: Não encoste o frasco no olho para evitar contaminação
:: Fique com os olhos fechados por alguns instantes
:: Feche bem o frasco após o uso
:: Não deixe o medicamento perto de crianças
:: Após o término do tratamento, jogue o colírio fora
:: Nunca use o medicamento sem orientação médica
:: Nunca use colírio guardado (usado em tratamentos anteriores) há muito tempo
:: Sempre leia a bula

Perigos:
:: Colírios cicloplégicos podem causar febre e alucinações em crianças
:: É arriscado dirigir após uso de colírios que dilatam as pupilas
:: Colírios destinados a tratamento de glaucoma
precisam de acompanhamento médico em pessoas hipertensas e asmáticas
:: Uso inadequado de colírio com cortisona em conjuntivites e ceratites por vírus pode complicar o quadro clínico
:: Uso inadequado de colírio antibiótico pode gerar graves doenças oculares

Dicas:
:: Quem trabalha em ambientes com ar-condicionado forte ou com computador deve consultar o médico sobre o uso de lágrima artificial
:: Óculos escuros protegem os olhos de partículas
:: Em caso de conjuntivite, evite aglomerados ou contato físico com o doente. Não compartilhe fronhas e toalhas

Fonte - Reportagem
   17/10/2009 - Rio Preto tem mais 6 com gripe suína
   17/10/2009 - Usuários reclamam de UBS do Vetorazzo
   16/10/2009 - Sem Lar, hospital de Mirassol fica ameaçado
   16/10/2009 - Gripe suína mata gestante de 5 meses
   16/10/2009 - Região zera fila para transplante de córneas
   15/10/2009 - Beneficência testa aparelho contra Parkinson
   15/10/2009 - Catanduva confirma óbito por gripe suína
   15/10/2009 - Rio Preto ganha Núcleo de Saúde da Família
   15/10/2009 - Região tem mais 24 ‘jovens acolhedores’
   14/10/2009 - Paciente diz ter sido violentado no Bezerra
   14/10/2009 - Rio Preto e região confirmam 12 novos casos de gripe suína
   10/10/2009 - Relatos de ataques de escorpião sobem 20%
   10/10/2009 - Autoridades investigam se mulher morreu de gripe suína
   10/10/2009 - Saúde conscientiza os jovens sobre a importância da vacina
   09/10/2009 - Bebê morre após picada de escorpião
   09/10/2009 - Rio Preto registra 7º óbito por gripe suína
   09/10/2009 - Família culpa hospital por morte
   09/10/2009 - Médico alerta sobre câncer do colo do útero
   08/10/2009 - Hospital de Base reduz leitos para controlar infecção
   08/10/2009 - Jovem de 28 anos morre de gripe suína

Conheça São José do Rio Preto

Grupo Diário de Comunicação
Jornal Diário da Região: Quem faz o jornal | Assine o jornal | Anuncie no jornal
FM Diário:
Quem faz a FM Diário | Anuncie na FM Diário
Site Diarioweb:
Quem faz o site | Assine o Diarioweb | Mapa do site
Revista Vida&Arte: Quem faz a Revista | Anuncie na Revista
©Copyright 2000 - Todos os direitos reservados ao Grupo Diário de Comunicação - São José do Rio Preto-SP Brasil
Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast ou redistribuído sem prévia autorização.
Resolução mínima de 800x600