S. J. do Rio Preto - Sexta, 25 de julho de 2014 




 
 
Notícias
Diarioweb Busca de Notícias

 
Arquivo de Notícias
Carnaval
Dossiê Diário
A inteligência contra o crime
Diário Olímpico
AgroDiário
A vida como ela é
Barretos
100 anos da imigração japonesa no Brasil
Beira D Água
Rio Preto 157 anos
Copa 2002
Charge
Cidades
Chame o Diário
Diário História
Copa 2006
Comportamento
Economia
Copa Diário/Sesc
CPI Banestado
Jogos Abertos
Rio Preto 156 anos
AgroDiário
Expo Rio Preto
Educação
Eleições
Santa Europa
Esportes
Rio Preto 154 anos
Meio Ambiente
Guerra no Golfo
Política
Paz no Trânsito
Revista Bem Estar
Rio Preto 153 anos
Saúde
Semae
Sua Casa
Tecnologia
Turismo
Últimas Notícias
Veículos
Zé Buracão
Divirta-se
Cinema
Teatro
Eventos e Shows
Galeria de Fotos
Coluna Social
Horóscopo
Diário Imagens
Opinião
Artigos
Bastidores
Coluna do Diário
Defesa do Consumidor
Dividida
Editorial
Flash Bola
Opinião do Leitor
Proteja-se!
Mário Luiz sabe o que diz
Serviços
Loterias
Estradas
Mapa do site
Notas de Falecimento
Contato
Nossos telefones
Fale Conosco
Disque Denúncia
Anuncie
Exótica
O charme da rosa-do-deserto
São José do Rio Preto, 14 de junho de 2009
  Sérgio Menezes  
A flor é encontrada em cores variadas, além de combinações

Liza Mirella

O agroempresário Humberto Satoshi Wadamori, de Pereira Barreto, enxergou mais do que beleza nas coloridas flores da exótica “rosa-do-deserto” (Adenium obesum). Ele viu o grande potencial de mercado desta planta ornamental, que a cada dia ganha novos admiradores. Em uma área de dois hectares, ele possui 25 mil mudas e produz mil por mês. Originária da África e da região do Iêmen (país na extremidade sudoeste da península da Arábia), a rosa se adaptou bem ao clima quente da região. Em 1998, o empresário adquiriu as primeiras mudas da espécie, que posteriormente foram selecionadas para formar as plantas matrizes. Alguns anos depois, em 2005, começou o cultivo comercial. A rosa-do-deserto é encontrada em cores variadas como branco, rosa e vermelho, além de diversos híbridos que vão surgindo do cruzamento das espécies. A planta apresenta crescimento lento e atinge um porte aproximado, quando adulta, em torno de 1,60 metro. Ela pode ser plantada em vasos e jardins. “O manejo não requer cuidados especiais, apenas trabalho de adubação, poda e limpeza dos vasos e da área de produção”, explica .

Alternativa de renda
Segundo Wadamori, o cultivo da rosa-do-deserto pode ser uma alternativa para o pequeno produtor, desde que ele tenha outra fonte de renda até que a cultura se torne rentável. Além disso,é importante que o produtor faça uma análise de mercado de como vai escoar a produção.


Sérgio Menezes
Originária da Originária da África e da região África e da região do Iêmen, a do Iêmen, a rosa-do-deserto rosa-do-deserto apresenta um apresenta um crescimento lento, crescimento lento, mas tem boa mas tem boa aceitação entre aceitação entre os consumidores


Por se tratar de uma planta com ciclo relativamente longo, o produtor terá que se manter durante esse período sem ter retorno e arcar com despesas de produção. “A planta começa a florescer um ano e meio depois a partir de mudas de 15 centímetros. A partir de sementes, são necessários dois anos e meio”, afirma.

Sol é importante
A rosa-do-deserto precisa de bastante sol para florescer. Por isso, quem tem uma planta desta em casa deve deixá-la em pleno sol. Mais sol significa mais flores. Menos sol significa mais folhas. A irrigação das plantas pode ser feita duas ou três vezes por semana. A poda é necessária assim que os galhos ficarem muito altos. “Deve ser podado metade do tamanho do galho.” O agroempresário optou por focar a empresa somente na produção de plantas. Por isso, para a distribuição dos produtos, faz parcerias. A empresa tem representantes nas Centrais de Abastecimento (Ceasa) de Rio Preto, Campinas e São Paulo. Para Rio Preto, o empresário envia entre 100 e 150 plantas por semana. Elas podem ser compradas às quartas-feiras e sábados, durante o Mercado de Flores. O preço varia de R$ 40, a muda com primeira floração, até R$ 250 para plantas adultas. Além de rosa-do-deserto, o agroempresário de Pereira Barreto também produz outras plantas ornamentais, como com a “árvore da felicidade macho” (Polyscias guilfoylei) e a “árvore da felicidade fêmea” (Polyscias fruticosa).
   13/09/2009 - Maior bacia leiteira do Estado
   13/09/2009 - Boas práticas para a pecuária
   13/09/2009 - Abacaxi também para silagem
   13/09/2009 - Feno extrusado para equinos
   13/09/2009 - Cai o emprego de calcário
   13/09/2009 - Pneu conservado evita prejuízo
   13/09/2009 - Praga ataca coqueiro na região
   13/09/2009 - Quando o negócio é ornamental
   13/09/2009 - ‘Mahle’, a laranja que vem por aí
   13/09/2009 - ‘Argos’, o tomate resistente
   13/09/2009 - Anvisa bane 2 agrotóxicos
   13/09/2009 - 48ª Expo terá 2 mil animais
   13/09/2009 - Anpovinos fará dia de campo
   13/09/2009 - O direito do produtor
   12/09/2009 - OIE avalia atualização para código sanitário
   09/08/2009 - Tomate orgânico com qualidade
   09/08/2009 - Use motosserra sem acidentes
   09/08/2009 - Confinamento a toque de caixa
   09/08/2009 - Definido zoneamento da banana
   09/08/2009 - Pecuária com selo de qualidade

Conheça São José do Rio Preto

Grupo Diário de Comunicação
Jornal Diário da Região: Quem faz o jornal | Assine o jornal | Anuncie no jornal
FM Diário:
Quem faz a FM Diário | Anuncie na FM Diário
Site Diarioweb:
Quem faz o site | Assine o Diarioweb | Mapa do site
Revista Vida&Arte: Quem faz a Revista | Anuncie na Revista
©Copyright 2000 - Todos os direitos reservados ao Grupo Diário de Comunicação - São José do Rio Preto-SP Brasil
Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast ou redistribuído sem prévia autorização.
Resolução mínima de 800x600